Another project attempt

Too lazy to read this post? You can listen to my first attempt at a recorded article and let me know if I did well.

In 2015, I made some promises, and one of them was become fluent in English. Well, almost 25% of the year has passed, and I’m trying to acomplish ever goal I established. The goals I’m having some progress is: write at least 2 articles in English; be fluent in English; retake my computer studies. I’m writing some articles in English (this is one of them), I’m trying to improve my English, and I’ll talk about it in this article and I’m trying to retake my technical studies by watching some classes online. In this article I’ll talk about how I’m improving my English. Continue reading →

Eu não ajudo em casa

Sou casado há 3 anos – meu 3º aniversário de casamento é dia 23/03/2016 – e nunca ajudei minha esposa nas tarefas de casa. Sabe porque? Porque as tarefas de casa não são obrigação dela ! Simples assim. Nós dois trabalhamos fora e passamos a mesma quantidade de tempo dentro da nossa casa. Usamos a casa de maneira igual, isso nos torna igualmente responsáveis pelas tarefas domésticas. Continue reading →

Eu odeio rótulos!

A principal característica que noto em mim que cresceu e cresce nos últimos anos é o desprendimento dos rótulos que a sociedade cria. A olho nu você pode pensar exatamente o contrário, mas te falo, ninguém é único ao ponto de não se encaixar em grupo nenhum (o meme diferentona externaliza exatamente isso) mas todo indivíduo é único ao ponto de não ser exatamente igual ao restante do grupo no qual se encaixa. Eu sou o cara que tem um pouquinho da maioria dos rótulos mas se sente desconfortável quando rotulado. Continue reading →

My 2015 Retrospective and desires for 2016

Since december 2013, my wife and I started to add our desire list and New Year’s Promises for the year becoming in a spreadsheet. And doing this we achieve 90% of the desires for 2014 and 60% for 2015, and we also took a note about the things that hapenned without planning (that’s a long list too \o/ ). It was very greatful to see the amount of things we’ve done in a year, things that we couldn’t see because people nowadays almost never pay atention in their daily lives. Continue reading →

A modern version of a popular story about focus

When I was a kid, I used to pick a bit of steel sponge, and link the two ends of one or two batteries. The effect was instantaneously cool: the steel sponge burns suddenly. I loved to play with it, because it seemed magical. I’ll not enter in the chemical fact, just the magical one: it’s a micro firework that we can perform in our bedroom. Another pyrotechnics that I used to play with, was to burn plastic. It was a real fire and when the plastic dripped, generally the fire continued. From that one, I carry a few little scars in my hands. Continue reading →

Agora eu consigo correr

Até 2014, sempre que ouvia alguém falar alguma coisa que envolvia corrida – à pé – acontecia um bloqueio na minha cabeça. Eu tive uma infância old school regrada à brincadeiras de rua até o escurecer, banhos em represas, estilingue – no qual eu era excelente – bolinhas de gude, e poderia até citar Racionais MC’s por não ter tido “bicicleta ou videogame”, mas eu tive várias bicicletas, e fazia tudo com ela, agora no singular porque eu tive uma bicicleta de cada vez. Eu era cicloativista ‘before it was cool’ mas isso não vem ao caso agora. Continue reading →

Os anos novos

É incrível como a nossa memória não tem noção de tempo. Parece que hoje cedo eu tinha acordado tarde depois da noite de reveillon de 2015, só que não era. Eu acordei cedo, no meio do ano, já com planos para o próximo reveillon, que pelo ritmo, vai acontecer na semana que vem, dada a velocidade em que os dias passam. Continue reading →